Recomendado, 2019

Escolha Do Editor

Viagra associado a maior risco de câncer de pele
Sua gravidez na semana 24
Um novo exame de sangue pode ajudar a diagnosticar a doença de Alzheimer

Câncer: Alimentos "ultraprocessados" podem aumentar o risco

Um grande estudo sugere que o aumento do consumo de alimentos ultraprocessados ​​- como refrigerantes e bebidas açucaradas, macarrão instantâneo, lanches embalados e algumas carnes reconstituídas - pode estar ligado a um aumento proporcional no risco de câncer.


Tenha cuidado com o que você come; alimentos ultraprocessados ​​podem aumentar o risco de câncer.

No entanto, em seu relatório sobre os resultados recentemente publicados O BMJ, cientistas de universidades de Paris, França e São Paulo, no Brasil, advertem que a descoberta veio de um estudo observacional e que mais pesquisas devem ser feitas para confirmá-lo.

Os estudos observacionais não são projetados para provar causa e efeito - mas podem oferecer insights sobre as ligações entre variáveis ​​como dieta e doença.

Neste caso, os pesquisadores analisaram a dieta e a saúde de 105.000 indivíduos de meia-idade no estudo de coorte NutriNet-Santé. Os participantes deram informações sobre a ingestão típica de milhares de alimentos diferentes.

Eles descobriram que, para cada 10% de aumento na proporção de alimentos ultraprocessados ​​consumidos, havia um risco 12% maior de câncer.

Análises posteriores revelaram um aumento de 11% no risco de câncer de mama, mas nenhuma ligação significativa com o aumento do risco de câncer de próstata ou câncer colorretal.

"À medida que o consumo global de alimentos altamente processados ​​aumenta", relatam Martin Lajous e Adriana Monge, do Instituto Nacional de Saúde Pública do México, em um editorial vinculado, "entender o impacto desses alimentos na saúde tornou-se um tópico relevante e oportuno. "

Das novas descobertas, eles observam que, embora ofereçam "uma visão inicial de um possível vínculo entre os alimentos ultraprocessados ​​e o câncer, [...] estamos muito longe de compreender todas as implicações do processamento de alimentos para a saúde e o bem-estar". "

Altas taxas de câncer e alimentos ultraprocessados

As estimativas mais recentes de números mundiais sugerem que houve 14,1 milhões de novos casos de câncer em 2012, e que esse número deverá subir para 24 milhões até 2035.

Nos Estados Unidos - onde o câncer é a segunda causa mais comum de morte - a American Cancer Society (ACS) estima que haverá cerca de 1,7 milhão de casos de câncer recém-diagnosticados e mais de 609.000 mortes pela doença em 2018.

De acordo com a ACS, pelo menos 42 por cento dos casos de câncer recém-diagnosticados são evitáveis. Estes incluem 19 por cento em que o tabagismo é a principal causa e 18 por cento que resultam de uma combinação de fatores, incluindo "má nutrição".

Em seu novo estudo, os pesquisadores citam evidências que sugerem que muitos países estão mudando para um maior consumo de "alimentos ultraprocessados" ou alimentos que passaram por vários "processos físicos, biológicos e / ou químicos".

Várias pesquisas - incluindo algumas realizadas nos EUA, Europa, Brasil, Canadá e Nova Zelândia - revelaram que 25% a 50% da ingestão diária de energia provém de alimentos ultraprocessados, como refrigerantes, salgadinhos embalados e assados, refeições prontas, cereais açucarados e carnes reconstituídas.

Uma necessidade de investigar o link

Os pesquisadores sugerem que as conseqüências para a saúde dessa tendência devem ser estudadas, porque os alimentos ultraprocessados ​​têm uma série de características que podem ser causadoras de doenças.

Por exemplo, eles são mais ricos em açúcar e sal, bem como gordura total e gordura saturada, e são mais pobres em fibras e vitaminas.

Outra preocupação é que, por causa do contato com materiais de embalagem, os alimentos ultraprocessados ​​podem ficar contaminados com substâncias potencialmente prejudiciais.

Além disso, esses alimentos contêm aditivos que, embora aprovados para uso alimentar, permanecem controversos, pois alguns estudos com animais e células sugerem que podem causar câncer. Estes aditivos incluem o nitrito de sódio de aditivo de carne processada e o dióxido de titânio de pigmento alimentar branco.

A investigação dos efeitos sobre a saúde dos alimentos ultraprocessados ​​é um campo relativamente novo. Alguns estudos levantaram a possibilidade de estarem associados a um maior risco de obesidade, pressão alta e colesterol alto, mas evidências robustas ainda são "muito escassas".

Os autores escrevem que, de acordo com seu conhecimento, seu estudo observacional "é o primeiro a investigar e destacar um aumento no risco de câncer geral - e especificamente de mama associado à ingestão de alimentos ultraprocessados".

Classificação detalhada de alimentos

Para o estudo, os pesquisadores analisaram dados de pessoas que preencheram questionários sobre os alimentos que consumiram durante 24 horas em pelo menos duas ocasiões. O detalhe reunido permitiu-lhes medir a ingestão típica de 3.300 alimentos diferentes.

A incidência de câncer foi medida em uma média de 5 anos. Os dados foram retirados de informações sobre os relatórios dos participantes e foram cruzados com os registros médicos e bases de dados nacionais.

Os pesquisadores categorizaram os alimentos em quatro grupos, de acordo com a "extensão e propósito do processamento industrial de alimentos".

Os alimentos ultraprocessados ​​são aqueles que, segundo o sistema de classificação utilizado no estudo, são submetidos ao processamento de alimentos mais industrializado.

O estudo fornece uma longa lista de alimentos ultraprocessados, incluindo: nuggets de peixe; salgadinhos doces e salgados embalados; pães embalados; Produtos à base de carne reconstituídos com o auxílio de nitritos ou outros conservantes não salinos; e alimentos "feitos principalmente, ou inteiramente de açúcar, óleos e gorduras".

Alguns exemplos de substâncias adicionadas durante o processamento industrial incluem agentes aromatizantes, corantes, humectantes, emulsionantes e edulcorantes artificiais. Estes são frequentemente adicionados para "imitar propriedades sensoriais" ou para "disfarçar qualidades indesejáveis".

Nenhuma ligação de câncer com menos alimentos processados

No outro extremo do espectro do produto estão os alimentos básicos, como "frutas, verduras, legumes, arroz, macarrão, ovos, carne" que passaram por um processamento mínimo ou nenhum processamento. Eles são tipicamente "frescos ou secos, moídos, refrigerados, congelados, pasteurizados ou fermentados".

Entre os alimentos menos processados, que incluem "vegetais enlatados com adição de sal, frutas secas revestidas de açúcar" e carne que foi "preservada apenas pela salga", além de "queijos e pães recém-feitos na embalagem".

O estudo não revelou nenhuma ligação significativa entre o câncer eo consumo de alimentos menos processados, e um menor risco de câncer em geral e câncer de mama com a ingestão de alimentos frescos e minimamente processados.

Ao elogiar os pesquisadores pelos dados detalhados que eles analisaram e coletaram sobre dieta e câncer, bem como pelas múltiplas análises estatísticas que eles conduziram, Lajous e Monge observam que "os resultados interessantes requerem replicação e refinamento adicional".

Eles também destacam que, embora o sistema de classificação de alimentos usado na pesquisa "possa ser útil para propósitos descritivos e para replicação", ele não fornece necessariamente o tipo de detalhe que é útil para consumidores e formuladores de políticas.

Lajous e Monge concluem:

"Deve-se tomar cuidado para transmitir os pontos fortes e as limitações desta última análise ao público em geral e aumentar a compreensão do público sobre a complexidade associada à pesquisa nutricional em populações de vida livre".

Categorias Populares

Top