Recomendado, 2019

Escolha Do Editor

Viagra associado a maior risco de câncer de pele
Sua gravidez na semana 24
Um novo exame de sangue pode ajudar a diagnosticar a doença de Alzheimer

Um novo exame de sangue pode ajudar a diagnosticar a doença de Alzheimer

Os médicos podem achar difícil diagnosticar a doença de Alzheimer antes que os sintomas se instalem, e muitos dos testes atuais são caros e complicados. No entanto, os pesquisadores recentemente conceberam um exame de sangue que poderia detectar com precisão essa condição.


Uma pesquisa recente teve como objetivo desenvolver um exame de sangue preciso para diagnosticar a doença de Alzheimer.

Segundo a Associação de Alzheimer, a condição provavelmente afetará quase 14 milhões de pessoas nos Estados Unidos até 2050.

Apesar disso, existem poucas maneiras de diagnosticar com precisão o mal de Alzheimer desde o início.

Estes incluem ressonância magnética e tomografia computadorizada, que ajudam os médicos a descartar outras condições que podem causar sintomas semelhantes.

Outra maneira de diagnosticar a doença de Alzheimer é coletar líquido cefalorraquidiano e procurar biomarcadores da doença. Este é o teste mais preciso para esta condição neurodegenerativa, mas é dispendioso e invasivo.

Por todas essas razões, pesquisadores do Brigham and Women's Hospital em Boston, Massachusetts, vêm desenvolvendo um exame de sangue para a doença de Alzheimer que visa ser preciso, mais econômico e menos desagradável.

No trabalho de estudo, que aparece na revista Alzheimer e Demência, os pesquisadores explicam que o teste pode ser capaz de detectar biomarcadores da doença de Alzheimer antes do aparecimento de sintomas óbvios.

Teste pode ser "um avanço transformador"

Uma marca da doença de Alzheimer e outros tipos de demência no cérebro é a formação de placas tóxicas, algumas das quais aparecem devido a um acúmulo de proteínas tau.

As proteínas tau são feitas de moléculas relacionadas com propriedades um pouco diferentes. No novo estudo, os pesquisadores começaram por conceber um método para identificar o subconjunto específico de moléculas de tau que aparecem em níveis elevados na doença de Alzheimer.

Os pesquisadores descobriram formas de detectar diferentes tipos de moléculas de tau no sangue e no líquido cefalorraquidiano, e testaram esses métodos em amostras de plasma (um componente do sangue) e líquido cefalorraquidiano de dois grupos de participantes (65 no primeiro grupo e 86 no outro).

Um grupo de amostras veio de voluntários inscritos no Harvard Aging Brain Study, e alguns que tinham participado em pesquisas no Instituto de Neurologia, em Londres, Reino Unido.

O segundo grupo veio de voluntários recrutados por especialistas do Centro de Pesquisa de Doenças de Shiley-Marcos Alzheimer na Universidade da Califórnia, em San Diego.

A equipe avaliou cinco testes para moléculas de tau, procurando ver qual seria a mais eficaz. No final, os cientistas decidiram fazer um teste que chamaram de "teste NT1", que demonstrou sensibilidade e especificidade, o que significa que foi capaz de detectar com precisão a doença de Alzheimer.

"Um exame de sangue para a doença de Alzheimer", afirma o autor do estudo, Dominic Walsh, "pode ​​ser administrado de forma fácil e repetida, com pacientes indo para o consultório, em vez de precisarem ir ao hospital".

"Em última análise, um teste baseado no sangue poderia substituir o teste do líquido cefalorraquidiano e / ou imagens do cérebro", ele sugere, acrescentando: "Nosso novo teste tem o potencial para fazer exatamente isso."

"Nosso teste precisará de validação adicional em muito mais pessoas, mas se ele funcionar como nas duas coortes iniciais, será um avanço transformador."

Dominic Walsh

Os pesquisadores estresse que enquanto eles verificaram o teste em amostras de sangue de duas coortes diferentes, eles precisarão conduzir mais estudos com grupos maiores de participantes para estabelecer completamente a eficácia do teste.

Além disso, eles agora pretendem aprender mais sobre como os níveis de proteína tau mudam conforme a condição progride, em comparação com seus níveis antes que os sintomas de Alzheimer se instalem.

"Tornamos nossos dados e as ferramentas necessárias para realizar nosso teste amplamente disponíveis, porque queremos que outros grupos de pesquisa testem isso. É importante que outros validem nossas descobertas para que possamos ter certeza de que esse teste funcionará em diferentes populações." ", observa Walsh.

Categorias Populares

Top